Buscar

Como tratar a depressão?


A base do tratamento para depressão inclui o uso correto de medicamentos associado à psicoterapia. As pesquisas mostram cada vez mais que esse tratamento pode regular as alterações cerebrais associadas à depressão e aliviar seus sintomas.





A depressão é uma doença comum, crônica e recorrente (cerca de 80% dos indivíduos que receberam tratamento para um episódio depressivo terão um segundo episódio ao longo de suas vidas). Essa doença está associada a altos níveis de incapacitação funcional . No Brasil, mais de 11 milhões de indivíduos sofrem com essa síndrome, o que coloca o país com a maior prevalência de casos da América Latina. A Associação Médica Brasileira recomenda o tratamento com antidepressivos associado à psicoterapia, para melhor resultados e prevenção de recaídas.


A psicoterapia se mostra efetiva no tratamento dos episódios depressivos, em casos de depressão leve a moderada. Para casos moderados ou graves, é imprescindível a associação de medicamentos específicos para a melhor eficácia do tratamento. Mas mesmo nos casos mais graves, a psicoterapia é altamente indicada, até porque a resposta ao antidepressivo não é imediata e costuma ocorrer apenas entre a segunda e a quarta semana de uso.


É importante que a pessoa mantenha continuidade no tratamento, pois isso evita possível recaídas. Estudos mostram que o uso de antidepressivos associado à psicoterapia, por pelo menos seis meses contínuos, reduz em até 50% a chance de novos episódios em um curto espaço de tempo. Por ser uma doença crônica, recomenda-se que o tratamento psicoterapêutico da depressão continue, mesmo após observada uma melhora inicial.


A duração do tratamento depende de diversos fatores, tais como: as causas da doença, o grau de severidade, a resposta aos medicamentos e às técnicas aplicadas, comorbidades, dentre outros. Por isso, o prazo de tratamento varia de pessoa para pessoa.


Mesmo após o término do tratamento na fase aguda (momento de crise) da doença, é indicado que o paciente continue fazendo acompanhamento médico e psicológico, para evitar recaídas e manter uma vida ativa e saudável. Além disso, algumas mudanças na rotina também são recomendadas para a manutenção da melhora do transtorno depressivo.



Quer saber o que você pode fazer para auxiliar em sua própria melhora? Clique aqui.



Para saber mais:

https://hospitalsantamonica.com.br/saiba-como-funciona-o-tratamento-para-depressao/

https://saude.abril.com.br/medicina/depressao-sintomas-diagnostico-prevencao-e-tratamento/

https://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/depression